12.9.21

CARLO CHENDI, O MÁGICO ESCRITOR DISNEY! ADEUS, AMIGO! OBRIGADO POR TUDO!

Assim como foi com o Mestre Luciano Gatto, eu tive a extrema honra de entrevistar para o "Chutinosaco", mais uma das lendas vivas dos artistas Disney: o genial escritor Carlo Chendi. Nascido em Ostellato, em 10 de julho, recentemente completou 82 anos e numa conversa sensacional, fui surpreendido por uma pessoa amável e muito simples, que nos revela os seus momentos especiais com os amigos, em fotos INÉDITAS na web, que ilustram maravilhosamente esta nossa viagem!




1) Carlo Chendi, os seus leitores brasileiros e eu queremos saber como e quando você começou a escrever histórias em quadrinhos, se especializando no gênero cômico?


R: A minha primeira história foi publicada em junho de 1952, eu tinha 17 anos e 11 meses.
Os meus mestres foram: Floyd Gottfredson com Mickey, Benito Jacovitti (O maior autor cômico italiano do século passado) e, determinantemente, Carl Barks. 
No cinema: Charlie Chaplin, os Irmãos Marx, Stan Laurel e Oliver Hardy
(O Gordo e o Magro).
De 1952 a 1954 eu fiz uma espécie de “treinamento prático” com vários personagens italianos (Tiramolla, Trottolino, etc.) e depois passei a escrever para a “Topolino”, desde sempre a mais prestigiosa revista em quadrinhos da Itália.




















2) Você fêz muitas histórias que abordavam, em tons de humor e sátira, clássicos da literatura e do cinema, como por exemplo: “ Doutor Paperus” (Goethe - Clássicos da Literatura Disney 28), “A Volta ao Mundo em 8 Dias” (Júlio Verne - Tio Patinhas 513), "Donald Contra Bob Finger" (Ian Fleming - Classicos da Literatura Disney 22). Como você trabalhava nessas adaptações?





R: As paródias de clássicos da literatura e dos filmes são uma ideia italiana que, depois de Floyd Gottfredson e Carl Barks, renovou os princípios narrativos das histórias e dos personagens Disney em quadrinhos.
A idéia era parodiar um clássico da literatura mas sem alterar o caráter e a psicologia do Pato Donald, Tio Patinhas, Mickey, Pateta, enfim, de todos os personagens. Por exemplo, na paródia do “Doutor Fausto” o Donald mantém o seu próprio caráter ao interpretar o “Doutor Paperus”. 
Em "Donald contra Bob Finger" se faz uma paródia de James Bond, mas Donald permanece sendo êle mesmo, não assumindo a personalidade de Bond.


3) Luciano Gatto é um grande amigo do meu blog e colabora conosco sempre que possível. Juntos, além de outras tantas aventuras, fizeram: “Donald e o Faraó” (Coleção Luciano Gatto 01) que é uma trama que fala de um antigo faraó, um alter ego do Tio Patinhas. Como nasceu a idéia dessa aventura tão insólita?





R: A civilização do Antigo Egito sempre me fascinou, eu sempre "devorei" as histórias de arqueólogos (Veja a descoberta da tumba de Tutancamon por parte de Howard Carter e Lord Carnarvon).
Aí eu escrevi uma história imaginando que um antigo faraó, com o mesmo apêgo que o Tio Patinhas têm pelo dinheiro (E a sua mesma aparência física), pudesse voltar a viver e quisesse mergulhar nas moedas do seu próprio depósito de dinheiro. 
Para diferenciar os dois na edição original italiana, o Tio Patinhas fala em prosa, enquanto o faraó se expressa em rima. 
E Luciano Gatto a desenhou de maneira bastante expressiva!


4) Você trabalhou com Luciano Bottaro em muitas histórias. Como foi o seu relacionamento com esse grande artista?





R: Eu e Luciano Bottaro éramos amigos desde a adolescência. E ambos com a mesma paixão pelos gibis e com o mesmo desejo de nos tornarmos autores de quadrinhos. Nós crescemos praticamente juntos, eu escrevia as histórias e ele as desenhava, por quase quarenta anos criando personagens (Pepito, Baldo, Whisky & Gogo, Pon Pon e muitos outros) e, ao mesmo tempo, também trabalhando com os disneyanos.
Bottaro era um grande e genial desenhista (Algumas vêzes êle também escrevia as histórias que desenhava), um artista autêntico. A nossa produção de quadrinhos foi de cerca de dois têrços com personagens Disney e de um têrço com personagens nossos.


5) Bottaro, Rebuffi e Chendi, dois desenhistas e um roteirista: juntos vocês fundaram o Estúdio Bierreci Comics . E, em 1972, criaram um evento internacional de quadrinhos (Mostra Internacional dos Cartunistas) que já chegou à sua 44ª edição. Como foi essa fase?




R: O Estúdio produzia histórias em quadrinhos para a Itália, a França, a Alemanha e a Suécia.
E também era uma espécie de escola frequentada por alguns jovens que ali aprenderam o ofício de fazer quadrinhos.
Da escola Bierreci saíram autores como: Giancarlo Berardi (Ken Parker e Júlia) e Ivo Milazzo (Ken Parker). 
Quanto à Mostra Internacional dos Cartunistas, o nosso objetivo principal era valorizar, em nível cultural, artístico e criativo, o nosso ofício de autores.
Não fomos os únicos, mas é claro que contribuímos, em nível internacional, a dar uma nova dignidade ao produto “gibi”. 







6) Quando Carl Barks estêve na Itália, durante a viagem europeia de 1994, você lhe dedicou uma mostra e um livro, com os depoimentos dos maiores autores italianos de quadrinhos sobre a arte dos quadrinhos.
Como era o seu relacionamento com êle? Chegaram a pensar em fazer uma história juntos?




R: O meu relacionamento com Carl Barks era de amizade, uma amizade cultivada por cêrca de vinte anos como amigos correspondentes e depois consolidada pessoalmente quando nos encontramos em Milão e na cidade de Rapallo. Eu o havia convidado para almoçar no Restaurante dos Quadrinhos, o “U Giancu”. Um dia inesquecível!
Mas...eu jamais ousaria lhe sugerir fazermos uma história juntos, êle era o meu mestre.


7) A sua primeira história com os personagens Disney foi: “Le Miniere di Re...Paperone” de 1954, e em 2013 a mais recente: “Pippo Scudiero della Tavola Redonta” (Inéditas no Brasil). O que mudou no mundo Disney ? Como você se relaciona com essa nova geração de autores? 





R: Os jovens autores estão em sintonia com os seus contemporâneos, com quem cresceram partilhando a mesma cultura (Pouca literatura, pouco cinema, muita televisão, muitos videogames, propaganda maciça, mesmos problemas políticos e sociais, etc) e são de uma geração muito diferente da minha.
Êles consideram as nossas histórias como grandes clássicos, sentem admiração por elas, mas acho justo que as histórias dêles representem a sociedade em que vivemos.
Como acontece com os jovens autores de cinema, televisão, literatura, etc. 





8) Carlo Chendi, como é a sua relação com o Brasil?

R: O Brasil é um país que eu amo de modo particular pelo lugar que ocupa na formação do meu imaginário.
E no Brasil moram pessoas que eu conheço e com quem tenho relações de amizade:
- Primaggio Mantovi, que eu conheci em Lucca.
- Júlio Schneider, advogado e um insuperável tradutor das histórias de Júlia" (Giancarlo Berardi) que eu conhecí em Rapallo.
- Marcelo Alencar, jornalista e tradutor das minhas histórias Disney no seu país (Marcelo comprou do espólio de Carl Barks, no Ebay, tôdas as cartas originais que eu havia escrito a Carl e o livro: “Un Mondo di Fumetti” que eu havia dado de presente a êle em 1971).




- Álvaro De Moya, que fazia parte do júri que me concedeu o Prêmio Yellow Kid em Roma, em 1996. 
- Maurício de Sousa (Que conheci em Rapallo). 
- E agora, tenho um novo amigo: Luiz Dias.









9) Agradeço pelas suas respostas e muito obrigado pelas milhares de histórias que você escreveu, que fizeram e ainda fazem sonhar os leitores brasileiros e aquêles tantos outros - dos 26 Países no mundo tôdo onde são publicadas as suas histórias, há mais de 40 anos (Agora, até na China!). Podia nos deixar uma mensagem?


R: Quando por dez anos, de 1989 a 1998, eu trabalhei na redação da The Walt Disney Company Itália, eu tive a oportunidade de conhecer o catálogo da Disney americana para os editores licenciados. 
Entre outras coisas, se dizia alí que as histórias em quadrinhos do Pato Donald, Mickey e dos demais personagens, tinham no mundo cêrca de oitocentos milhões de leitores. 
Como a quase totalidade da produção em quadrinhos dos personagens Disney era italiana… não é difícil concluir quantos leitores têm (Mais ou menos!) as minhas histórias. 
E os brasileiros ocupam uma parte especial no meu coração!




























CARLO CHENDI

ADIO MAESTRO! GRAZIE PER TUTTI!


1) Carlo Chendi, i tuoi lettori brasiliani ed io, vorremmo sapere come e quando hai cominciato a scrivere storie a fumetti. perché ti sei specializzato in storie del genere comico?


R: La mia prima storia è stata pubblicata nel giugno 1952, avevo 17 anni e 11 mesi. I miei maestri sono stati Floyd Gottfredson con Mickey Mouse, poi Benito Jacovitti (il più grande autore comico italiano del secolo scorso) e, determinante, Carl Barks.
Al cinema,Charlie Chaplin, i fratelli Marx e Stan Laurel e Oliver Hardy. Ho fatto un tirocinio di due anni, dal1952 al 1954, con vari personaggi (Tiramolla, Trottolino, eccetera), poi sono passato al "Topolino", da sempre il più prestigioso periodico a fumetti italiano.



2) Hai realizzato molte storie che riprendevano, in chiave parodistica e satirica, classici della letteratura e del cinema, come «Il Dottor Paperus »(da Goethe), «Il Giro del mondo in 8 Giorni» (da Julies Verne), «Missione Bob Fingher» dal famoso film con James Bond. Come lavori questi adattamenti di libri o film?


R: Le parodie dei classici della letteratura e dei film sono un’idea italiana, che ha, dopo Gottfredson e Barks, rinnovato i canoni narrativi delle storie e dei personaggi Disney a fumetti. L’idea era quella di parodiare un classico della letteratura, lasciando però invariato il carattere, la psicologia di Paperino, Paperone, Topolino,
Pippo e via dicendo. Per esempio, nella parodia del Dottor Faust, Paperino mantiene il suo carattere, anche se interpreta il Dottor Paperus. In «Missione Bob Fingher», si fa la parodia di James Bond, ma Paperino rimane sé stesso, non assume la personalità di Bond.



3) Luciano Gatto è un grande amico del mio blog e collabora con noi quando gli é possibile. Insieme avete realizzato «Paperino e il Faraone», una storia che narra di un antico faraone, un alter ego di Paperon de’ Paperoni, anche lui avaro «collezionista di monete», che rivive e ha nostalgia dei bagni che faceva nei sicli quando era ancora vivo. Come è nata questa avventura così insolita ?


R: La civiltà dell’Antico Egitto mi ha sempre affascinato, ho sempre divorato le storie degli archeologi (vedi la scoperta della tomba di Tutankhamon da parte di Carter e Carnarvon). Così ho scritto una storia immaginando che un antico Faraone, con lo stesso attaccamento al denaro di Paperon de Paperoni (e il suo stesso aspetto fisico), potesse tornare a vivere e volesse tuffarsi nei dollari custoditi nel Deposito del Denaro. Nell’edizione italiana, per distinguerli, Paperone parla in prosa, mentre il Faraone si esprime in rima.
Luciano Gatto l’ha poi disegnata in maniera molto efficace.



4) Hai lavorato con Luciano Bottaro in molte storie. Come è stato il tuo rapporto con questo grande artista?


R: Con Luciano Bottaro eravamo amici da quando eravamo adolescenti. Entrambi con la stessa passione per i fumetti e lo stesso desiderio di diventare, a nostra volta,«autori di fumetti.
Abbiamo praticamente cominciato insieme, io scrivevo le storie e lui le disegnava per quasi quarant’anni, inventando personaggi (Pepito, Baldo, Whisky & Gogo, Pon Pon e molti altri) e contemporaneamente collaborando anche a quelli disneyani. Bottaro era un grande, geniale disegnatore (ma qualche volta scriveva anche le storie che disegnava), un vero, autentico artista. 
La nostra produzione «fumettistica» è stata per circa due terzi con personaggi Disney e un terzo con personaggi nostri.



5) Bottaro, Rebuffi e Chendi, due disegnatori e uno sceneggiatore: insieme avete fondato lo «Studio Bierreci Comics. E, nel 1972, avete creato una manifestazione internazionale di fumetti (Mostra Internazionale dei Cartoonists) che è ormai arrivata alla sua quarantatreesima edizione. Come vivere questa fase?


R: Lo Studio produceva storie a fumetti per l’Italia, la Francia, la Germania, la Svezia. E era anche una «bottega» dove alcuni giovani che l’hanno frequentata,hanno imparato il «mestiere» del fare fumetti. Dalla «bottega» Bierreci sono usciti autori come Giancarlo
Berardi (Ken Parker e Julia) e Ivo Milazzo (Ken Parker).
Per quanto riguarda la Mostra Internazionale dei Cartoonists, ci prefiggevano lo scopo di valorizzare, a livello culturale, artistico e creativo, il nostro «mestiere di autori»· Non siamo stati gli unici, ma senz’altro abbiamo contribuito, a livello internazionale, a dare una nuova dignita al«prodotto fumetto».



6) Quando Carl Barks, durante il tour Europeo del 1994, è venuto in Italia gli hai dedicato una mostra e un libro, con le testimonianze dei maggiori autori di comics italiani sulla «arte». Come erano i tuoi rapporti con lui ? Mai pensato di fare una storia insieme ?



R: Con Carl Barks c’erano rapporti di amicizia, un’amicizia coltivata per circa vent’anni come «amici di penna» e poi consolidata con una conoscenza personale quando ci siamo incontrati a Milano e a Rapallo: infatti, l’avevo invitato a pranzo nel Ristorante dei fumetti  "U Giancu". Una giornata indimenticabile.
Non avrei mai osato di proporgli di fare una storia insieme, lui era il mio maestro.



7) La tua prima storia per i personaggi Disney «Le Miniere di Re...Paperone» del 1954, la più recente «Pippo Scudiero della Tavola Rotonda»: cosa è cambiato nel mondo Disney ?
Quali sono i tuoi rapporti con la nuova generazione di «autori disneyani»?



R: I giovani autori sono in sintonia con i loro coetanei, con i quali sono cresciuti condividendo la stessa cultura (Poca letteratura, cinema, tanta televisione, tanti videogiochi, spot pubblicitari, stessi problemi politici e sociali, eccetera), quindi appartengono a una generazione molta diversa dalla mia. 
Loro considerano le nostre storie come dei «grandi classici», le ammirano, ma mi pare giusto che le loro storie rappresentino la società in cui viviamo.
Come avviene per i giovani autori di cinema, televisione, letteratura, eccetera.



7) Quali sono i tuoi rapporti con il Brasile ?


R: Il Brasile è un Paese che amo in modo particolare per il posto che occupa nella formazione del mio immaginario. 
E poi in Brasile ci sono persone che conosco e con le quali ho rapporti di amicizia.
Primaggio Mantovi, che ho conosciuto a Lucca.
Julio Schneider, avvocato e traduttore insuperabile delle storie di Julia di Giancarlo Berardi, che ho conosciuto a Rapallo.
Marcelo Alencar, giornalista e traduttore di mie storie Disney in brasiliano. Marcelo inoltre ha acquistato su Ebay, dalla Carl Barks Estate, tutte le lettere originali che avevo scritto a Carl e il libro «Un Mondo di Fumetti» che gli avevo regalato nel 1971.
Alvaro De Moya che faceva parte della giuria che mi ha assegnato lo "Yellow Kid" a Roma nel 1996.
Mauricio De Sousa (Che ho conosciuto a Rapallo). 
E ora ho un nuovo amico: Luiz Dias.



8) Grazie per le tue risposte e grazie per le migliaia di storie che hai scritto, che hanno fatto e fanno ancora sognare e i lettori brasiliani, e quelli dei 26 Paesi in tutto il mondo dove vengono pubblicate le tue storie da oltre 40 anni (Adesso anche in China!).
Ci può lasciare un messaggio?



R: Quando, per 10 anni, dal 1989 al 1998, ho lavorato negli uffici della The Walt Disney Company Italia, mi è capitato di sfogliare il book della Disney americana per gli editori licenziatari Disney.
Si diceva, tra l’altro, che le storie a fumetti di Donald Duck, Mickey Mouse e via dicendo, avevano nel mondo circa ottocento milioni di lettori. 
Dato che la quasi totalità della produzione a fumetti dei Personaggi Disney era italiana … non è difficile trarre la conclusione su quanti lettori hanno (Pressappoco!) le mie storie.
E quelli brasiliani occupano una parte speciale del mio cuore.




CARLO CHENDI


20.8.21

"CHUTV" - A TV DO CHUTINOSACO NO YOU TUBE! SE INSCREVAM AGORA PARA NOVOS VIDEOS, EM BREVE!

Comemorando o Aniversário do Blog, o Link será postado aqui para vocês acessarem, e se inscreverem no Canal! Toda sexta teremos um novo video sempre com novidades! Um abração a todos!  


8.6.21

BANZÉ ESPECIAL 1959-1961

"Cláudio Jurischka, do Grupo Esquiloscans nos traz esta edição especialíssima que homenageia o mais carismático, simpático e divertido dos cães criados pela equipe de Walt Disney. 

Foi capa de vários gibis brasileiros e teve sua revista própria nos EUA, depois de estrear no filme: "A Dama e o Vagabundo" "mostrando todo seu talento", que culminou com tiras nos jornais e depois até virar "astro" de tantas histórias! 

Foi desenhado por quase todos os mestres Disney e ainda hoje é publicado normalmente com muito sucesso na Dinamarca, com aventuras inéditas!" 

Foi com este texto de 2012 que apresentei o Primeiro Volume!

E agora, num árduo trabalho incrível de pesquisa, e amor aos quadrinhos de Jurischka, temos um Segundo Volume com o Melhor do Banzé e seus Amigos! Divirtam-se!

Produção: Claudio Jurischka / Grupo Esquiloscans

  

28.3.21

FANTASTIGA 01

Uma coleção produzida pelo Paulo Ricardo Abade Montenegro para o Grupo Esquiloscans, trazendo o trabalho do desenhista brasileiro Waldyr Igayara de Souza (1934/2002).

Produção: Esquiloscans


LINK GRATUITO PARA DOWNLOAD

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...